quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

A SOCIOLOGIA E SEUS GRANDES TEÓRICOS

INTRODUÇÃO:

Auguste Comte; Nasceu em 19/01/1798 em Montpellier, França, tornou-se um republicano com idéias liberais e desenvolve atividade política e literária isto permitiu que ele elaborasse proposta para que fossem resolvidos os problemas sociais de sua época.
Com apenas dezenove anos ele foi trabalhar como secretario Henri de saint-Simon. As influencias começam a fazer com que Comte pense na necessidade de uma ciência teórica da sociedade, ciência esta que inicialmente foi chamada de “ Física Social” posteriormente Sociologia nome este inventado por Auguste Comte.
Entre 1851 e 1854 surgem os enormes volumes de sistema de política positiva, na historia da Sociologia o positivismo foi a primeira corrente consolidada que surgiu através das teorias de Comte, que pretendia realizar uma reforma social por meio da ciência. Ele afirmava que a “Sociologia” era a única ciência que podia transformar a Sociedade.
No positivismo a sociedade era vista como um organismo que era constituído de partes integradas e harmônicas
Comte era contra o uso do método teológico na investigação cientifica pois comte acreditava que os fenômenos vitais deveriam ser explicados por suas causas sociológicas seu fatos. O positivismo teve por base teórica a observação.
Sob a influência de grandes pensadores como Saint-Simon, Francis Bacon, Galileu Galileu e René Descartes, Comte queria reformar a sociedade, inicialmente fazer a reforma intelectual dos homens, como conseqüência aconteceria a reforma das instituições.
Na tentativa de compreender os problemas sociais, todo grupo social passa pelas três fases históricas de evolução. A lei três estados;
Primeiro estagio: era o estado teológico ou fictício a sociedade é governada pelas forças sobrenaturais, ou seja, as regras sejam completamente submetidas a religião. O estado teológico se divide em três: Fetichismo, Politeísmo e Monoteísmo.
Segundo estagio: o estado metafísico ou abstrato, a sociedade começa a ser vista em termos naturais.
Terceiro estagio; cientifico ou positivo, sociedade e governada pela ciência experimental.
Na filosofia de Comte usa-se os critérios históricos e sistemático. O método sistemático e a observação de um sistema de forma ordenada e metódica. O método histórico a obtenção dos dados reais não se limitas apenas nos simples acontecimentos, mas existe um todo processo de desenvolvimento e evolução tanto no que se diz respeito ao homem e quanto à própria ciência.
A classificação das ciências segundo tema básico da filosofia da historia. Comte mostra que a evolução de cada ciência obedece a periodização dos três estados, mas que essa periodização não se faz ao mesmo tempo em todos os domínios.
A Sociologia é entendida por Comte no mais amplo sentido da palavra incluindo uma parte essencial da psicologia, toda a economia política, a ética e a filosofia da história.
                                         Aspecto fundamental da sociologia comteana entre a está-tica e a dinâmica                sociais. A primeira estudaria as condições constantes da sociedade; a segunda investigaria as leis de seu progressivo desenvolvimento. A idéia da estática e a ordem; a da dinâmica, o progresso. Para Comte a dinâmica social subordina-se á estática, pois o progresso provem da ordem e aperfeiçoa a ao elementos permanentes de qualquer sociedade : religião, família, propriedade, linguagem, acordo entre poder espiritual e temporal, etc.( COMTE, 1978 apud BARBOSA. 2009, P. 42).

A influência de Auguste Comte se dá principalmente na tradição Republicana, na Europa, América Latina. No Brasil é muito clara como se pode ver no lema estampado na bandeira nacional: “Ordem e Progresso”.

Émile Durkheim: Durkheim tinha pensamentos iguais ao de Comte no que se diz a linha positivista que tem como precaução central os mecanismos que garantem a constituição e a transmissão de valores que asseguram a harmonia da sociedade, ou seja, o problema da ordem social esta no centro das atenções.
A sociologia passou a ser considerada e como tal se desenvolveu com Émile Durkheim (1858 a 1917), uma de suas maiores contribuições foi estabelecer a sociologia ás regras do método sociológico na analise dos fatos sociais e os principais conceitos da nova ciência.
Durkheim não se importava como os indivíduos representavam seus enlaces, como tinha suas interpretações biológicas ou psicológicas, se procurava entender como formava o conceito do fato social queria compreender os mecanismos pelos qual uma sociedade se organizava e mantinha-se coesa. Para Emile Durkheim existia os “fatos sociais” que se baseava em quatro princípios fundamentais:
A sociologia é uma ciência independente das demais Ciências Sociais e da Filosofia; 2. A realidade social é formada pelos fenômenos coletivos; 3. A Causa de cada fato social deve ser procurada entre os fenômenos sociais que o antecedem. Para explicar o fenômeno social, deve-se procurar sua causa. 4. Todos os fatos sociais são exteriores aos indivíduos, formando uma realidade especifica. Segundo Durkheim, o ser humano é um animal que só se humaniza pela socialização (OLIVEIRA, 2002 apud BARBOSA. 2009 P. 47).

Como características dos fatos sociais têm:
Generalidade: o fato social é comum aos membros de um grupo;
Exterioridade: o fato social é externo ao individuo, existe independentemente de sua vontade;
Coercitividade: os indivíduos se sentem obrigados a seguir comportamento estabelecido.
Estas características que fazem parte dos fatos sociais que influenciam e direciona as atitudes e os comportamentos das pessoas na sociedade são relações sociais exteriores aos indivíduos que permanece por muitos anos, gerações após gerações. Os fatos sociais não são totalmente exteriores as pessoas pois possuem um poder coercitivo pelo qual se impõem a ele independente de sua própria vontade quanto individuo, pois a sociedade já definiu varias regras de como  se comportar.
Nesse contexto pode-se compreender que Durkheim diz que é o coletivo predomina sobre o comportamento do individuo, onde que a sociedade esta o tempo todo pressionando as nossas condutas, seja de modo a ser, de pensar, de sentir, de se vestir, de se ouvir e outras coisa mais se enquadra neste sentido.
Para Durkheim a Sociologia tem por finalidade não só explicar a sociedade, mas como também encontrar soluções para a vida social, a sociedade como todo organismo, apresentaria problemas a qualquer momento podendo ficar doente ou ficar em seu estado normal saudável. 

Max Weber: Um sociólogo alemão que nasceu em Erfurt, na Turíngia, em 21/04/1864. Este grande sociólogo é considerado um dos grandes pensadores da sociedade moderna, suas teorias exerceram grandes influências sobre as ciências sociais a partir da década de 1920 e umas dessas teorias é a de que o objetivo da sociologia é o sentido da ação humana individual que deve ser buscada pelo método da compreensão.
Weber tenta definir a atividade social de uma forma mais racional, nesse sentido ele estabelece seus diferentes tipos agrupando-os de acordo com o modo pelo quais os indivíduos orientam suas açõduos orientam suas açpelo qual os indivuma forma mais racional, nesse sentido ele es, podendo ser definida em quatro modos: Ação tradicional: aquela determinada por um costume ou um hábito arraigado. Ação afetiva: aqueles determinados por afetos ou estados sentimentais. Racional com relação a valores: determinada pela crença consciente num valor considerado importante, independentemente do êxito desse valor na realidade. Racional com relação a fins: determinada pelo cálculo racional que coloca fins e organiza os meios necessários.
Pode-se definir que a ciência Weberiana como um esforço destinado a compreender e a explicar os valores aos quais os homens aderiram, e as obras que construíram. Este processo é duradouro faz com que o conhecimento obtido deve seja estendido mais e mais fazendo com que a ciência seja constantemente estudada.
 A sociologia compreensiva de M. Weber trabalha com um instrumento teórico chamado “tipo ideal”. O tipo ideal é um conceito sociológico construído e testado previamente, antes de ser aplicado às diferentes situações onde se acredita que ele tenha ocorrido.
Entre suas principais obras é destacada: “A Ética protestante e o Espírito do Capitalismo” vincula o nascimento do capitalismo á doutrina calvinista da predestinação e á conseqüente interpretação do êxito material como garantia da graça divina. “Economia e sociedade” de Max Weber é o grande clássico das ciências sociais do século XX.

Karl Heinrich Marx: Marx nasceu em 05/05/1818 em Treves, capital da província alemã do Reno, um grande pensador que durante sua vida desenvolveu varias teorias, fez vários trabalhos em prol do proletário defendendo a classe que mais precisava de ajuda, publicou vários artigos, livros obras estas reconhecida mundialmente até os dias de hoje, virou até um símbolo de luta entre os quais que queiram empregar a igualdade a todos, sendo estes muitos grupos revolucionários que existiram desde o século passado aos dias atuais que tem como fundamento em seus conhecimentos a história e idéias revolucionárias de Karl Marx.
Marx e Engels seguiam praticamente as mesmas linhas de pensamentos, devido a isto os dois acabavam saindo de vários paises onde entravam, pois eles elaboravam teorias, novos conceitos linhas de pensamentos que provocavam os governantes destes paises, governos estes que adotavam o capitalismo como forma estabelecida de provimentos de capital, eles acabavam por fim sem expulsos dos paises que se sentiam ameaçados por estes novos conceitos que tiravam o capital do poder dos mais ricos para divisão igualitária.
Não era só Marx e engels que advogava a dissolução do capitalismo, pois na mesma época surgiu um movimento chamado “anarquismo” tendo Pierre-Joseph Proudhon como um dos primeiros teóricos desse movimento.
Marx era totalmente contra esse sistema econômico absorvido pelas maiorias dos paises ocidentais, para ele o trabalhador chamado de proletário nesse sistema não teria chance de crescer era só explorado onde os burgueses exploravam o maximo que podia fazendo com que o funcionário pagasse o próprio salário tendo assim 100% de lucro nas atividades de suas empresas, surgindo assim a sua teoria da “mais valia”. 

                                             Cultuado mundialmente nos meios acadêmicos e políticos de esquerda por largo período dos séculos XIX e XX, Marx foi o criador de um sistema sócio-econômico implantado por seus seguidores em vários países no Leste europeu e na Ásia, à custa de revoluções sangrentas. No entanto, seu sistema mostrou rapidamente ser falho e ineficaz, e levou à bancarrota todos países que o adotaram, excetuada a China, onde suas teses foram esquecidas e o governo marxista foi substituído por uma ditadura de diretriz econômica diversa, que trouxe prosperidade econômica ao país. Indiretamente, a tese sócio-econômica marxista provocou ainda inúmeros outros desastres, como o surgimento de ditaduras onde a população reagiu à sua implantação, entre elas a de Adolf Hitler na Alemanha e a de Mussolini na Itália, além de ondas de perseguição a seus adeptos, a exemplo do Macartismo nos Estados Unidos. Desses efeitos secundários o mais extenso foi a chamada Guerra Fria, uma projeção militar do antagonismo do Ocidente contra os países de economia marxista da órbita da Rússia os quais, antes da derrocada econômica que sofreram, constituíam com aquele país a chamada União Soviética. Uma forma bastante atenuada de marxismo foi testada democraticamente na Inglaterra, mas o seu fracasso levou à sua pronta revogação. (Cobra, Rubem Queiroz 2003).

CONCLUSÃO:

A sociologia teve grandes pensadores que mudaram muito os conceitos da grande burguesia forçava sobre os menos favorecidos, aqueles que não tinham quem o defende-se diante da grande revolução industrial que ditava todas as regras da economia, onde que o dinheiro estava acima de tudo e ditava as regras e normas a se seguir. Os grandes sociólogos como Comte, Durkheim, weber e Marx contribuíram e muito para a Sociologia, eles deram um maior embasamento teórico as novas linhas de pensamentos que antes eram consideradas um tabu para os grandes burgueses, pois ameaçavam a estabilidade financeira dos mesmos.
São muitas as teorias elaboradas, algumas que consideramos que são validas até os dias de hoje e outras que não foram aceitas na época que tentaram implantar acabando não dano certo devido talvez a um modelo de sistema de economia já existente e muito forte. Muitos foram os ganhos com os estudos desses sociólogos, podendo citar um avanço na queda da desigualdade social que existia na época para os dias de hoje, o assistencialismo a população se tornou mais primordial a questão da humanização. Todas essas mudanças que surgiram com os grandes sociólogos criaram um grande acervo documental, histórico e patrimonial aos que estudam os cursos sociais e os que tenham em sua grade essa disciplina, pois ao mesmo tempo em que o acadêmico estuda ele passa a ter uma visão diferente de mundo social é também partir estudos feitos sobres todos os teóricos e outros conhecimentos que é compreendido dentro da Sociologia,  que o aluno passa a ter um a noção maior de justiça social.
Dados comparativos entre os teóricos:
Entre os maiores teóricos do século XVIII e XIX encontramos Auguste Comte, Émile Durkheim, Max Weber e Karl Heinrich Marx, todos eles elaboraram suas teorias defendendo suas teses, mas divergindo entre si, ou concordando em algumas teorias como, por exemplo, temos Durkheim tinha pensamentos iguais ao de Comte no que se diz a linha positivista que tem como precaução central os mecanismos que garantem a constituição e a transmissão de valores que asseguram a harmonia da sociedade, ou seja, o problema da ordem social esta no centro das atenções.
Agora comparando a sociologia estrutural de Durkheim difere completamente da de Marx.  Enquanto Marx insiste nos conflitos e na luta entre as classes, colocando as relações de poder e a força como centrais à explicação da sociedade, o sociólogo francês vê a sociedade como integrada, formando um todo coeso e mantido por regras de convivência. A integração não é sempre a mesma, mas está sempre presente, se não fosse assim não haveria sociedade. Um dos elementos da integração é a intensidade com que os membros de um grupo ou de uma sociedade interagem entre si. A participação em rituais, por exemplo, tenderá a unir os membros de grupos religiosos. Também, trabalhos diferenciados, mas complementares provocam um aumento na integração de grupos de trabalhadores.
Podemos dizer que ao contrário de Durkheim, Weber não pensa que a ordem social tenha que se opor e se distinguir dos indivíduos como uma realidade exterior a eles, mas que as normas sociais se concretizam exatamente quando se manifestam em cada indivíduo sob a forma de motivação. Max Weber nunca diria, como Durkheim, que a curiosidade histórica deve subordinar-se à investigação de generalidades. Quando o objeto do conhecimento é a humanidade, é legítimo o interesse pelas características singulares de um indivíduo, de uma época ou de um grupo, tanto quanto pelas leis que comandam o funcionamento e o desenvolvimento das sociedades.
Quando se comenta que seria impossível a Sociologia formular um quadro claro e objetivo sobre como definir as leis fundamentais da sociedade humana é que vemos que Marx Weber e A. Comte se distancia em suas linhas de pensamentos. Da mesma forma se distanciam também de Marx, quando defende que um mesmo acontecimento pode ter causas econômicas, políticas e religiosas, sendo que nenhuma dessas causas pode ser considerada superior em relação às outras. O que garante a objetividade da explicação sociológica é o seu método e não a objetividade pura dos fatos.

3 comentários:

  1. Gostei, é ótimo esse trabalho!
    gostaria de ver um exercício deste assunto!
    abraço!

    ResponderExcluir
  2. Seu trabalho está incrível vc leva jeito meus parabéns!! vc merece!

    ResponderExcluir
  3. muito bom aprendi muito sobre os teoricos

    ResponderExcluir